Blog

Descubra a Tartaruga que Há em Si

DESACELERAR para SERENAR (SLOW down to CALM down)

Quando andamos demasiado depressa, a nossa saúde, relacionamentos e qualidade de vida são por norma afetados. Através do ato de Desacelerar, ganhamos a capacidade de estarmos presentes, desfrutar dos nossos relacionamentos e podemos encontrar um maior significado para a nossa vida.
O “Speed Check ”é um exercício rápido e fácil que nos ajuda a desacelerar.  Primeiro verificamos com que rapidez estamos a realizar uma tarefa e, em seguida, dá-nos ferramentas para abrandar se necessário, conectando-nos com a respiração e com o momento presente. O Speed Check pode ser feito a qualquer momento do dia e é particularmente benéfico durante os períodos de transição que são por norma acelerados – como por ex. o sair,  as refeições e o ir dormir.

Como se faz um “Speed Check”:

1. PARE o que estiver a fazer agora – não se preocupe, será por menos de um minuto!
   – e tome consciência disso.

2. QUESTIONE-SE: Será que estou a fazer isto demasiado depressa? Seria possível fazê-lo mais devagar?

3. Se a resposta for sim (e é frequentemente), faça 5 RESPIRAÇÕES PROFUNDAS e retome o que estava a fazer, mais LENTAMENTE.

Desacelerar é tão simples quanto isto! Se repetido ao longo do tempo, permite-nos tomar consciência da velocidade em que vivemos e pode de facto ajudar-nos a criar o hábito de DESACELERAR – que está provado ser a fórmula certa para o ritmo certo em que devemos agir. Fazer menos, desconectar-se das tecnologias sempre que possível e integrar “rituais lentos” na sua vida tais como o Speed Check, é mais uma forma de “descobrir a tartaruga que há em si”.

Fonte : Dalai Lama Center| Heart Mindonline.org

A Meditação da Bem Querença (Loving Kindness) pode retardar o envelhecimento

A pesquisa sustenta que a meditação pode remodelar as vias neurais ligadas à compaixão, ajudando os praticantes a ver a interligação de todo o sofrimento humano.

Indo um pouco mais além, a Meditação da Compaixão e Bondade Amorosa visa especificamente cultivar um sentimento de altruísmo e de afecto para com o Outro; e quanto mais nos preocupamos com o bem-estar dos outros, maior é a nossa própria sensação de bem-estar.

 

Para além disso, quando praticamos Tonglen colocando a intenção nos outros – enviando força, ternura, felicidade e alívio na dor – a nossa mente experiencia estes estados positivos primeiro.

A compaixão tem o efeito de deixar a mente confortável, ajudando a aliviar os medos e inseguranças, dando-nos força para lidar com os obstáculos da vida quotidiana.

 

De fato, a compaixão é considerada uma qualidade tão vital, que existe agora um método em Psicoterapia chamado Terapia Focada na Compaixão (CFT), que realça a importância de aplicar a compaixão para atingir um modo de vida saudável e feliz.

Os benefícios comprovados de uma prática de meditação baseada em compaixão, variam de um maior bem-estar ao alívio da doença e uma melhor inteligência emocional.

Abaixo enumeramos alguns dos muitos benefícios que esta prática de meditação transformadora pode ter na mente, no corpo, na alma e nos relacionamentos.

 

Cultivar a Compaixão

Talvez o benefício mais notório de uma prática baseada em compaixão seja o fato de se cultivar o amor, a empatia e a benevolência, nutrindo uma postura altruísta em quem pratica.

Ajuda-nos a perceber que o “eu” e o “outro” são ideias falsas, pois o sofrimento é universal. Uma prática ativa e regular, fortalece áreas do cérebro responsáveis pela empatia e pela inteligência emocional.

 

Melhoria dos Relacionamentos

A compaixão permite compreendermo-nos melhor  e aos outros, o que é importante em todos os relacionamentos.

Praticar a compaixão também nos ajuda a sarar feridas nos relacionamentos, pois aumenta nossa capacidade de perdoar, bem como a nossa ligação com os outros, enquanto diminuímos a raiva e o preconceito em relação aos outros.

 

Reduzir os sintomas de grandes perturbações

Comprovou-se que a Meditação da Compaixão reduz os sintomas do Síndrome de Stress Pós-Traumático (PTSD), bem como os sintomas negativos em perturbações do espectro da esquizofrenia.

Praticantes de meditação da compaixão com perturbações do espectro de esquizofrenia também revelaram um aumento de emoções positivas e recuperação psicológica (Johnson et al, 2011).

 

Redução da Depressão e Stress

As práticas baseadas em Compaixão reduzem o stress e a depressão, pois focam-se em desenvolver uma atitude de aceitação, amor e bondade para com o próprio e com os outros (Gardner, 2018).

Além disso, ao desviarmos temporariamente a atenção dos nossos próprios desafios e focar-mo-la no sofrimento dos outros, ajuda-nos a colocar as coisas em perspectiva.

 

Silenciar a Mente

Distintas de outras formas de meditação, as práticas baseadas em Compaixão requerem focar a atenção numa pessoa específica ou numa frase benevolente, por oposição a não ter um objeto específico de contemplação.

Portanto, as práticas da Meditação da Bondade Amorosa e da Compaixão, diminuem a tendência da mente vaguear, contribuindo para a diminuição dos efeitos fisiológicos negativos, tais como a ansiedade e o medo, enquanto aumenta a nossa capacidade de cumprirmos tarefas importantes.

 

Aliviar a dor crónica

Existem várias associações entre saúde mental e condições físicas crónicas que afectam significativamente a qualidade de vida das pessoas.

Estudos preliminares sugerem que uma prática baseada em Compaixão, pode ser benéfica na redução da dor lombar persistente (Carson et al. 2005), e também foi provado que ajuda a reduzir a dor da enxaqueca e alivia a tensão emocional associada à enxaqueca crónica (Tonelli & Wachholtz, 2014).

 

6 Benefícios comprovados de uma prática baseada em Compaixão

A pesquisa sustenta que a meditação pode remodelar as vias neurais ligadas à compaixão, ajudando os praticantes a ver a interligação de todo o sofrimento humano.

Indo um pouco mais além, a Meditação da Compaixão e Bondade Amorosa visa especificamente cultivar um sentimento de altruísmo e de afecto para com o Outro; e quanto mais nos preocupamos com o bem-estar dos outros, maior é a nossa própria sensação de bem-estar.

 

Para além disso, quando praticamos Tonglen colocando a intenção nos outros – enviando força, ternura, felicidade e alívio na dor – a nossa mente experiencia estes estados positivos primeiro.

A compaixão tem o efeito de deixar a mente confortável, ajudando a aliviar os medos e inseguranças, dando-nos força para lidar com os obstáculos da vida quotidiana.

 

De fato, a compaixão é considerada uma qualidade tão vital, que existe agora um método em Psicoterapia chamado Terapia Focada na Compaixão (CFT), que realça a importância de aplicar a compaixão para atingir um modo de vida saudável e feliz.

Os benefícios comprovados de uma prática de meditação baseada em compaixão, variam de um maior bem-estar ao alívio da doença e uma melhor inteligência emocional.

Abaixo enumeramos alguns dos muitos benefícios que esta prática de meditação transformadora pode ter na mente, no corpo, na alma e nos relacionamentos.

 

Cultivar a Compaixão

Talvez o benefício mais notório de uma prática baseada em compaixão seja o fato de se cultivar o amor, a empatia e a benevolência, nutrindo uma postura altruísta em quem pratica.

Ajuda-nos a perceber que o “eu” e o “outro” são ideias falsas, pois o sofrimento é universal. Uma prática ativa e regular, fortalece áreas do cérebro responsáveis pela empatia e pela inteligência emocional.

 

Melhoria dos Relacionamentos

A compaixão permite compreendermo-nos melhor  e aos outros, o que é importante em todos os relacionamentos.

Praticar a compaixão também nos ajuda a sarar feridas nos relacionamentos, pois aumenta nossa capacidade de perdoar, bem como a nossa ligação com os outros, enquanto diminuímos a raiva e o preconceito em relação aos outros.

 

Reduzir os sintomas de grandes perturbações

Comprovou-se que a Meditação da Compaixão reduz os sintomas do Síndrome de Stress Pós-Traumático (PTSD), bem como os sintomas negativos em perturbações do espectro da esquizofrenia.

Praticantes de meditação da compaixão com perturbações do espectro de esquizofrenia também revelaram um aumento de emoções positivas e recuperação psicológica (Johnson et al, 2011).

 

Redução da Depressão e Stress

As práticas baseadas em Compaixão reduzem o stress e a depressão, pois focam-se em desenvolver uma atitude de aceitação, amor e bondade para com o próprio e com os outros (Gardner, 2018).

Além disso, ao desviarmos temporariamente a atenção dos nossos próprios desafios e focar-mo-la no sofrimento dos outros, ajuda-nos a colocar as coisas em perspectiva.

 

Silenciar a Mente

Distintas de outras formas de meditação, as práticas baseadas em Compaixão requerem focar a atenção numa pessoa específica ou numa frase benevolente, por oposição a não ter um objeto específico de contemplação.

Portanto, as práticas da Meditação da Bondade Amorosa e da Compaixão, diminuem a tendência da mente vaguear, contribuindo para a diminuição dos efeitos fisiológicos negativos, tais como a ansiedade e o medo, enquanto aumenta a nossa capacidade de cumprirmos tarefas importantes.

 

Aliviar a dor crónica

Existem várias associações entre saúde mental e condições físicas crónicas que afectam significativamente a qualidade de vida das pessoas.

Estudos preliminares sugerem que uma prática baseada em Compaixão, pode ser benéfica na redução da dor lombar persistente (Carson et al. 2005), e também foi provado que ajuda a reduzir a dor da enxaqueca e alivia a tensão emocional associada à enxaqueca crónica (Tonelli & Wachholtz, 2014).

 

Translate »